top of page
blog.jpg

BLOG

O tal do Acolhimento

Qual é a primeira coisa que vem na sua cabeça quando lê a palavra “acolher”?

Tem muita gente que responde: dar um colo, acalmar, abraçar, “passar a mão na cabeça”...Parece mesmo, mas não é.



Quando pesquisamos o significado e os sinônimos de “acolher’, olha quanta coisa aparece:

Dar abrigo e proteção: amparar, refugiar, acomodar, hospedar

Receber com cerimônia: recepcionar

Receber com aceitação: aceitar, considerar

Dar ouvido a: atentar, escutar, ouvir


Na Comunicação Empática, “acolher” está ligado a esses últimos significados: aceitação, consideração, escuta atenta e ativa do que está sendo dito.


Quando alguém nos conta um problema, nós escutamos, levamos em conta o que está sendo dito, consideramos. Interagimos, claro, tentando nos conectar com o que a pessoa está sentindo naquele momento. Mas é uma interação que não julga, não avalia, não dá razão, conselho nem lição de moral...


Tem gente que pensa: hum, se escutamos o outro e aceitamos o que ele está dizendo, então isso significa que concordamos com ele? Não! Uma coisa é ouvir e aceitar o que o outro está sentindo. Outra coisa é concordar. Aceitar o sentimento não é concordar com ele!


Podemos aceitar que o filho sinta raiva da professora, por exemplo, mas não precisamos concordar com essa raiva. Ele pode até estar errado nas suas percepções e julgamentos em relação à situação, mas sentir raiva da professora, ele pode!... “Entendi, você está bravo porque acha que ela deveria ter liberado vocês mais cedo para o recreio”. Acolhimento realizado com sucesso!


Podemos aceitar que a filha se sinta injustiçada por ter que faltar a uma festa porque tem prova no dia seguinte. Não necessariamente concordaremos com ela, mas podemos escutar e compreender seu ponto de vista: “Entendi, você está chateada porque não quer abrir mão de se divertir por causa da escola”. Acolhimento realizado com sucesso!


Ao serem compreendidos, os filhos e filhas se acalmam. Sabe aquela sensação de “finalmente, alguém me entendeu!”? É isso. E por causa disso, conseguem seguir em frente, aceitando melhor os limites que são colocados para eles e dissipando a raiva, a injustiça e o que mais tiver incomodando.


Vale experimentar. Desejo boas conversas e bons acolhimentos para vocês!

Comments


bottom of page