top of page
blog.jpg

BLOG

Quando a nossa ajuda só atrapalha...

Levanta a mão quem já viu essa “cena” em casa:


Seu filho está estudando matemática e começa a ficar nervoso porque não está entendendo o que tem que fazer. O tempo passa e ele começa a chorar, de tão nervoso que está...


Aí você chega perto e tenta acalmá-lo, mas não consegue...Sem saber o que fazer para acabar com aquele drama, diz o seguinte: “Filho, não fica assim, quando eu tinha a sua idade, eu também achava super difícil matemática, era muito complicado, mas não adianta ficar desse jeito...”


Eis que ele vira e fala: “Mãe/Pai, para de ficar me comparando com você!! Eu não sou você, você era desse jeito, eu não!! Eu fico nervoso, me deixa!!”



É, não é fácil ver outras pessoas sofrendo...Filhos e filhas, então, impossível! A dor do outro é um lugar em que não gostamos de ficar, em que nos sentimos impotentes. Instintivamente, tentaremos sair dali, “tirando o outro daquele buraco”.


Com as nossas melhores intenções, nós tentamos diminuir o sofrimento do outro. Falamos que não precisa ficar daquele jeito, fazemos comparações com o que nós sentimos ou sentiríamos naquela mesma situação, dizemos que tudo aquilo vai passar, tentamos mostrar o lado bom das coisas, tentamos ser racionais e práticos...Cada um de nós tem um ”jeito especial” de fazer isso...


O problema é que tentar diminuir o sofrimento do filho ou da filha não funciona. Não acolhe, não faz o filho "sair do buraco", não é empático. Empático é ficar na dor dele, “ficar no buraco com ele”. Mas como?? Reconhecendo o que ele está sentindo: "Matemática é difícil mesmo, tem horas que a gente acha que não vai conseguir nunca, que isso não serve pra nada, dá a maior raiva!!"...


“Ai, Renata, mas assim não estamos ajudando o filho, não estamos resolvendo o problema!” É verdade. Podemos não resolver o problema, mas quando escutamos e acolhemos:


1. Não atrapalhamos mais: não colocamos mais lenha nessa fogueira;

2. Sem fogo alto, ajudamos o filho a se acalmar: finalmente alguém entendeu o que ele está passando;

3. Ao ser compreendido, o filho consegue pensar em como ele vai “sair do buraco”: ser entendido acalma, diminui a pressão que ele está sentindo e abre espaço para a busca de soluções.


É preciso esforço e tempo para mudar velhos hábitos. A boa notícia é que comunicação empática pode ser uma grande aliada. Experimente!

Comments


bottom of page